redacao@gritoregional.com.br     (67) 9 8175-8904

Tudo sobre a região do Anhanduizinho

Tudo sobre a região do Anhanduizinho

Campo Grande, sexta-feira, 01 de novembro de 2019.

Capital das Praças

Projeto apresentado pelo Presidente da Associação de Moradores do Jardim Ouro Preto, pode dar novo título à Capital de MS

Por Gilson Giordano em 21/08/2019 às 15:55

Projeto apresentado pelo Presidente da Associação de Moradores do Jardim Ouro Preto, está nãos do prefeito Marquinhos Trad (Iustração)

Fundada no dia 21 de junho de 1872, pelo mineiro José Antônio Pereira, que aqui se aportou e se estabeleceu, com mais 62 pessoas, no então chamado Arraial de Santo Antônio, mas devido ao seu acelerado crescimento o então fundador solicitou a sua emancipação que aconteceu no dia 26 de agosto, surgindo então à cidade de Santo Antônio de Campo Grande, hoje prestes há completar 120 anos,  se tornou a Capital de Mato Grosso do Sul  e é também considerada como a Capital dos Ipês e também a Cidade mais Arborizada do país Essa bela cidade Morena,  poderá dentro de pouco tempo ganhar mais um título que a exemplo dos dois citados, a deixará mais famosa e com certeza despertará a curiosidade de todos em visitá-la: Capital das Praças – Praça Sustentável.

Desta feita, trata-se do projeto Campo Grande Capital das Praças – Praça Sustentável, que foi entregue pelo presidente da Associação de Moradores do Jardim Ouro Preto (AMOP), localizado no bairro Centenário, na região do Anhanduizinho, Márcio do Carmo, que no dia 8 de julho, entregou nas mãos do prefeito Marquinhos Trad, para que o mesmo fosse estudado e depois dado a viabilidade de ser iniciado  a área publica do Bairro Jardim Ouro Preto, que serviria como piloto.

Conforme as explicações do presidente da AMOP, Márcio do Carmo, o projeto visa transformar Campo Grande em um referencial entre as Capitais no trato com as praças e nelas, aproveitando as belezas dos Ipês e da arborização.

Ainda conforme as informações do autor do projeto Campo Grande Capital das Praças – Praça Sustentável – trata-se de uma proposta de intervenção paisagística pelo Poder municipal, reduzindo assim os espaços ociosos existentes na cidade, sendo os mesmos aqui identificados como praças e áreas verdes.

O projeto seria desenvolvido, além do poder Público, com as parcerias feitas com as lideranças comunitárias, associações e agremiações.

“É um projeto que visa fazer Campo Grande, a Capital conhecida pelas praças com belos jardins, acessibilidade e conscientização ambiental”, explicou o autor do projeto emendando que, para consolidação desse projeto, seriam também desenvolvidas as campanhas educativas que poderão estar entre os fatores que tornarão Campo Grande a Capital das Praças.

“Esse projeto é possível sim e ele seria, como já disse feito através de parcerias e integração em projetos já existentes, como nas áreas da Cultura e do Esporte a programas como “Conecta Campo Grande”, promovendo a democratização da internet”, explicou Márcio do Carmo. 

Interrogado quanto à participação das Associações dos Bairros, Márcio disse que as mesmas terão um papel fundamental neste projeto e segundo ele, as mesmas darão a continuidade à manutenção, de forma preventiva e a Prefeitura atuará na fiscalização, ordenação e limpeza, como já tem atuado, agora com cronograma mais estendidos entre datas devido à parceria empregada, e ainda se utilizando de programas como Programa de Parceria Municipal (Propam), o que diminuirá significativamente despesas municipais em reparos e manutenções e caberá à organização civil, a contribuição quanto à criação de uma cultura de preservação.

De acordo com o projeto, a diferença contempla o acesso de todas as pessoas – a sua participação efetiva em todas as áreas do projeto: Sustentabilidade, Educação Ambiental e a Destinação de Resíduos Sólidos.

“Cada praça terá um ambiente educativo, acolhedor, prazeroso e, sobretudo um reduto urbano de convivência. Unindo famílias, entidades filantrópicas e produzindo pólos de comércio locais. Criando e ampliando projetos já existentes, fazendo que associações de bairros, lideranças, voluntariado de forma civil organizada, possam fazer que seu bairro ofereça opções de lazer, em resumo, qualidade de vida”, afirmou Márcio do Carmo, que propõe ainda a criação de uma equipe para a condução do projeto em toda a cidade, tendo como piloto o Bairro Jardim Ouro Preto, pelo fato de o mesmo ser um bairro que atualmente não possui nem um trabalho especifico neste sentido, mas se mostra como é possível concluir todas as etapas propostas, conforme consta no projeto que está nas mãos do prefeito Marquinho Trad.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





Exibir botões
Esconder botões