redacao@gritoregional.com.br     (67) 9 8175-8904

Tudo sobre a região do Anhanduizinho

Tudo sobre a região do Anhanduizinho

Campo Grande, sábado, 19 de outubro de 2019.

Arena Campo Nobre

Em tarde de gala para o futebol amador da Capital, Vó Maria vence na decisão e conquista o bicampeonato

Por Gilson Giordano em 02/09/2019 às 09:27

Exibindo o troféu, Vó Maria repete feito do ano passado e desta feita, conquista o bicampeonato e entre para o seleto grupo dos vencedores (Foto: Divulgação)

Foi uma tarde típica para uma bela decisão de um campeonato cuja duração foi de quatro meses e ao longo desse período, sempre marcado por bons jogos e não seria justamente na última partida, que o cenário seria diferente.

Com a tarde sábado (31), com um cenário perfeito, ambiente apropriado para um jogo decisivo que contou com o calor de um público estimado em mais de três mil pessoas, criando uma atmosfera diferente de tudo até então visto em uma decisão válida por um campeonato de futebol amador na Capital de MS.

Os torcedores que lotaram a Arena Campo Nobre, presenciaram um confronto de alto nível e surpreendente qualidade técnica, nas duas partidas que marcaram o encerramento do campeonato.

Esse foi o desfecho do 27º Campeonato de Futebol Amador Arena Campo Nobre, localizada no bairro Centro Oeste, na região do Anhanduizinho, onde as equipes do “cascudo” time do Vó Maria e o inexperiente, mas bom time do Centro Automotivo Irmão Luiz, bem representaram as outras 30 equipes que participaram do evento, que foi promovido e organizado pela Associação de Moradores da localidade, Júlio César Souza da Silva e Antônio Coronel, com os patrocínios da Versátil Camiseteria, Planeta dos Esportes e os apoios do vereador Ademir Santana e do deputado estadual Jamilson Name.

Campeão

Acertou quem  apostou que o campeão da competição sairia do grupo 3, pois conforme os resultados apresentados ainda na fase classificatória, todos apostavam que o campeão sairia do grupo 1 ou do grupo 2 e quebrando todos os prognósticos, o melhor  saiu foi do grupo 3.

Público

Ainda pela manhã, já era intenso o movimento dos torcedores que aos poucos iam chegando para se acomodarem e com isso ficarem no melhor local do alambrado que cerca o campo da “Arena”, Junto aos torcedores, os vendedores ambulantes que também iam buscando os clientes, oferecendo as mais diferentes guloseimas e com isso, desde então, criando uma atmosfera toda especial, deixando no ar, o clima de um grande jogo.

3º lugar

Das duas partidas previstas para a memorável arde de sábado (31), a primeira a ser disputada foi válida pela 3ª colocação em campo duas das melhores equipes, alias, se chegaram a tal condição de finalistas, dispensa o comentário quanto à qualidade técnica de ambas.

De um lado, o surpreendente e evolutivo time do AC Tiradentes que, como se sabem andou desbancando alguns “gigantes” do futebol amador da Capital de MS e entre eles, o Astecon/Tusa, que foi o campeão na 1ª Copa Campo Grande de Futebol Amador.

O adversário, o também “cascudo” time do Ferro Velho do Tata que e muito respeitado na modalidade pelo vasto currículo apresentado ao longo da sua existência.

Talvez pelo fato de ser um jogo que valia a terceira colocação, esqueça um pouco a história recente dos dois times que foi marcada pela ofensividade e ambos usando a estratégia cumpriram o “script”, mas deixando plenamente satisfeito os torcedores que aquela altura, superava a casa das 1.500 pessoas.

Com bom volume de jogo, mas sem a impetuosidade que ambos mostraram ao longo da competição, a partida dirigida pelo bom árbitro Valmir Bento, terminou empatada no tempo regulamentar por um gol e com isso, o vencedor foi conhecido através dos tiros livres da marca do pênalti e nesse fundamento, que brilhou foi o goleiro Emerson Paulo, do Ferro Velho do Tata, que defendeu duas cobranças, sendo uma delas feita pelo jogador Diego Alexandre e garantiu a vitória e a 3ª colocação ao time.

DECISÃO

À essa altura, o quadrilátero que cerca a Arena Campo Nobre estava praticamente intransitável, devido à quantidade de torcedores que ainda continuava chegando.

Como se tornou praxe no futebol amador, além da impecável organização, os dois times, mais a arbitragem e o responsável pelo evento, entraram juntos ao gramado, onde, todos perfilados e como prova de civismo, ouviram a execução do Hino Nacional. Em seguida, um pipocar de fogos, anunciando que o espetáculo futebolístico seria iniciado sob a arbitragem de Ruy Lavarda, que a exemplo de Valmir Bento, integra também o Quadro Principal da FFMS.

Jogo

Em campo, o “cascudo” time do Vó Maria, que em 2018 conquistou no mesmo local o titulo de campeão e desta feita, como gosto da festa, lutava pela conquista do bicampeonato.

O Adversário, o até certo ponto,  ainda um tanto  inexperiente para uma decisão o time do Centro Automotivo Irmão Luiz.

Talvez tenha faltado um pouco mais de experiência para o bom time do Centro Automotivo Irmão Luiz, que chegou à decisão pela primeira vez neste campeonato (Foto: Divulgação)

Apesar do placar ter apontado a vitória do time Vó Maria, por 4 x 1, a partida não chegou a ser um “show” , pois ao longo dos 50 minutos, o jogo foi  extremamente disputado, mas, com mais experiência, o time  do “Vó”, soube dosar as energias e usar muito bem os contra-ataques para “matar “ o jogo e pelo placar imposto, se tornou um massacre, tal como aconteceu  em 2018, quando o mesmo time, pelo mesmo placar: 4 x 1, derrotou também na decisão o Ferro Velho do Tata.

No time do Vó Maria, dois jogadores alem de terem desequilibrado o jogo, foram fundamentais na vitoria do time: Matheus e Júlio César, cada um com dois gols, asseguraram o titulo da equipe, contra o gol solitário de Leandro Fernandes, conhecido por “Iá”, para o time do CAIL.

Como era de se esperar, o jogo foi muito disputado desde o início, no entanto, o técnico do Vó Maria, sentindo a pressão do adversário, ainda no primeiro tempo, realizou a primeira alteração no time, colocando em campo o jogador Matheus que levando muito perigo ao gol do Centro Automotivo, acabou desequilibrando o jogo, colocando em polvorosa a defesa adversária.

Mesmo assim, a partida se manteve muito equilibrada, com o time do Centro Automotivo bem postado em campo, saia de forma coordenada para o ataque levando também muito perigo para o goleiro do Vó Maria.

A essa altura, os torceres já apostavam na possibilidade de a mesma acabar empatada e com isso, o vencedor ser conhecido através dos tiros livres da Marc do pênalti.

No entanto, quem apostou nessa possibilidade, acabou perdendo, pois aos 24 minutos da etapa inicial, coube ao melhor jogador, Matheus, abrir o placar para o time do Vó Maria, que foi para o intervalo de forma mais tranqüila, transferindo a responsabilidade para o adversário que, na etapa complementar, teria que sair para o jogo.

2º tempo

As duas equipes voltaram para a etapa complementar com as mesmas formações que encerraram o primeiro tempo e como era esperado, o time do Centro Automotivo Irmão Luiz, tomou a iniciativa e foi em busca do empate, o que não demorou muito em acontecer, pois aos dois minutos, o jogador Leandro Fernandes, “Iá” empatou o jogo, deixando o mesmo muito mais disputado e equilibrado, com as duas equipes mostrando o bom nível técnico e boa qualidade disciplinar, sob os atentos olhares do árbitro Ruy Lavarda, que acompanhou tudo sempre perto das jogadas.

No entanto, a alegria do time do CAIL acabou durando pouco, pois aos cinco minutos após um “bate-rebate” na área, de novo, o jogador Matheus apareceu, para mostrar aos “netinhos” que na arena quem tem experiência tem vez colocado o time do “Vó” novamente à frente.

O time do Cetro Automotivo, de certa forma sentiu o impacto do golpe, mas buscou foras para de forma coordenada, tentar chegar ao empate e a partir de então, dominou territorialmente o jogo, acuando o time do Vó Maria em seu campo defensivo que por sua vez, optou jogar no erro do adversário e sair para os contra-ataques.

Justamente empregando essa tática um tanto suicida, o time chegou graças a experiência dos seus jogadores, ao elástico placar de 4 x 1.

Após tanto martelar, mas sem sucesso, o time do CAIL, acabou sendo pego no “contrapé”, pois o terceiro gol marcado por Julio César, aos 20 minutos, foi através dessa jogada.

O gol pode ter siso fatal para o CAIL, que ainda tentou tirar forças de onde não tinha mais e de novo, usando a mesma tática, foi pra cima e no último minuto do jogo, em outro contra-ataque bem concatenado pelo setor do meio campo e ataque, o Vó Maria deu cifras finais e mais uma vez com Júlio César, decretando a vitória e o titulo de bicampeão ao Vó Maria, que agora passas a fazer parte do seleto grupo de campeões, sendo que ele, tendo conquistado em duas ocasiões, sendo de fato único bicampeão no referido campeonato.

Premiação

Praticamente com os refletores acessos, o organizador do evento Júlio César Souza da Silva, entregou os prêmios em dinheiro aos quatro times que chegaram à decisão e mais ao goleiro menos vazado e ao artilheiro.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





Exibir botões
Esconder botões